Livro no celular é sucesso no Japão

domingo, 16/dezembro/2007

Dos 10 livros mais vendidos no Japão até junho de 2007, cinco foram escritos no celular. A informação, do jornal australiano Sydney Herald, também diz que as novelas de celular chegaram a vender mais de um milhão de exemplares. É o caso da novela Koizora, que mostra uma moça violentada por seqüestradores. Desde o lançamento, foram vendidas 1,2 milhão de cópias do livro. Os japoneses parecem propensos a pagar por conteúdo móvel.
Mais oportunidades para quem desenvolve conteúdo mobile.

Fonte: http://www.jc.com.br


M-learning com Android

segunda-feira, 3/dezembro/2007

 

Android

No mês de novembro, o Google apresentou para o mundo a mais nova plataforma para dispositivos móveis: Android. Mas como o desenvolvimento de m-learning será afetado pela plataforma do Google?

As aplicações para dispositivos móveis continuarão sendo desenvolvidas na linguagem Java, assim como já eram feitas as aplicações com JavaME. Mas algumas mudanças na maneira de programar podem ser notadas.

Além de algumas diferenças na arquitetura (que foi projetada para favorecer o reuso de componentes), o desenvolvedor terá um maior suporte para criação de interfaces gráficas ricas.

Um bom número de componentes gráficos estão sendo disponibilizados já na versão incial do SDK. A novidade é que o Android dá ao desenvolvedor a possibildade de projetar interfaces de maneira declarativa (através de XML), de maneira semelhante ao HTML. Esta característica poderá aproximar ainda mais designs do processo de desenvolvimento.

Futuramente, o SDK possuirá APIs de baixo nivel para o controle de tecnologias de comunicação como Bluetooth e Wi-Fi. Porém, se você deseja desenvolver uma rede social embarcada para os alunos de uma universidade por exemplo, o Android já oferece uma API para o uso de serviços do XMPP (protocolo desenvolvido pela comunidade Jabber, que permite um vasto desenvolvimento de aplicações colaborativas).

Junto com o lançamento da plataforma, o Google deu um estímulo para o desenvolvimento de aplicações para o Android. Trata-se do Android Developer Challenge, concurso que oferecerá 10 milhões de dolares em prêmios para desenvolvedores que produzirem aplicações dentro das seguintes categorias:

  • Social networking
  • Media consumption, management, editing, or sharing, e.g., photos
  • Productivity and collaboration such as email, IM, calendar, etc.
  • Gaming
  • News and information
  • Rethinking of traditional user interfaces
  • Use of mash-up functionality
  • Use of location-based services
  • Humanitarian benefits
  • Applications in service of global economic development

Apesar de não ter explicitado m-learning dentre as categorias, podemos classificar nossas aplicações voltadas para o aprendizado dentro de alguns dos grupos listados.

Sucesso para todos os desenvolvedores nessa nova caminhada!


Encontramos barreiras para desenvolver

sexta-feira, 1/setembro/2006

Após a construção dos primeiros protótipos com Java ME percebemos a incapacidade das ferramentas utilizadas para chegarmos ao melhor estado da usabilidade promovido pelos protótipos de papel.

Porém observamos características do Polish que podem ser interessantes, como a aplicação de CSS nos componentes do Java ME, tornando de certa forma a interface construída mais amigável. Apesar desses recursos, ainda assim não seria possível utilizar facilmente componentes como textfields e buttons em Canvas para podermos desenhar interfaces melhores, a não ser se desenvolvêssemos as mesmas.

Estamos numa fase de estudo para saber o que é possível ser feito alterando o CSS responsável por modificar aspectos importantes dos componentes de formulário do Polish.

Caso seja necessário mais pesquisas por mudar as ferramentas que utilizamos isso será informado, juntamente com novos protótipos de interfaces projetados.


Polish, Simulador da Palm e JVM

sexta-feira, 1/setembro/2006

Trabalhando em cima de critérios de usabilidade, uma das preocupações mais importantes do projeto AMADeuS, a .reply faz pesquisas intensas sobre a capacidade da tecnologia em dar suporte a esses critérios.

Ferramentas pagas foram encontradas para um desenvolvimento mais expressivo, porém a iniciativa da .reply parte do uso de ferramentas OpenSource.

O Polish, foi a opção mais escolhida por atender, a principio, os requisitos propostos pelas interfaces. O próximo seria a implementação e testes para validação das telas.

Por outro lado era preciso simular os componentes desenvolvidos, em devices de PDAs e constatar se os recursos disponibilizados pelo Polish eram realmente eficientes e seria mantida a usabilidade das interfaces desenvolvidas. Para isso o simulador da própria PALM passou a ser utilizado, juntamente com conversores de .jar produzidos pelo Eclipe para .prc que seriam utilizados para as simulações.


Optamos por JAVA ME

sexta-feira, 1/setembro/2006

Depois de discussões entre os membros da equipe de desenvolvimento, a decisão pelo o uso de Java ME para o desenvolvimento do módulo Gestão de Conteúdo do AMADeUs, ao invés de tecnologias para a Web. A mudança foi baseada em indicadores internos da equipe durante o desenvolvimento do então sistema de apoio a educação, o .learn. Essa indicadores mostravam o alto custo da montagem de uma infra-estrutura capaz de suportar o sistema, além da pouca durabilidade da bateria dos dispositivos, no caso PDAs, ligados em uma rede wireless para sincronização com o servidor e solicitação de dados.

Outro fator fundamental para o uso de JAVA ME foi a segurança na portabilidade da mesma. Segundo noticias do site da Palm, o Palm OS já parou de ser produzido e provavelmente uma plataforma livre será utilizado.


Estruturando a equipe

sexta-feira, 1/setembro/2006

A .reply tem como foco a pesquisa e desenvolvimento de soluções tecnológicas para educação e aprendizagem sobre dispositivos móveis.

Formada por uma equipe composta por 8 alunos, a .reply mantêm uma capacitação constante tanto na área tecnológica – viabilidade,estruturação e adequação das aplicações utilizando tecnologias de ponta que não existem no mercado.

Essa capacitação ocorre através de seminários que contemplam pontos como: linguagens de programação, ferramentas, arquiteturas, comunicação, usabilidade e metodologias.

Procurando diferenciais, a capacitação também envolve estudos de aspectos conceituais que envolvem a relação tecnologia e educação – colaboração, percepção e adaptação. Parte da equipe da .reply desenvolve pesquisa científica na área de m-learning e educação.

Atualmente a .reply tem prototipado o módulo Gestão de Conteúdo do AMADeUs para Palm.

Para uma maior estruturação e organização das atividades na busca da eficiência continua a .reply está dividida em 4 núcleos de atuação:

 

  • Tecnologia: responsável por estudar a viabilidade e coerência das tecnologias a serem utilizadas sempre procurando uma integração com os objetos de estudo, estruturando treinamentos para que esse conhecimento seja difundido por toda a equipe.
  • Marketing: responsável por trabalhar as estratégias de concepção, construção e fortalecimento dos relacionamentos da .reply com seus stakeholders, bem como estruturar algumas diretrizes mercadológicas.

  • Mobile Interface Design: responsável por estudar contextos envolvidos com as soluções e seus usuários, desenvolver as telas e avaliar resultados de pesquisa e aplicação.

  • Gerência: responsável pela gestão de pessoas e gerenciamento do projeto.

As atividades de desenvolvimento de soluções estão distribuídas por toda a equipe.

Como proposta inicial de trabalho a .reply procura desenvolver a parte mobile do AMADeUs, complementando o sistema com soluções que rodem em palm’s e celulares.


Fazemos softwares que você precisa!

quinta-feira, 27/julho/2006

A .reply surgiu para suprir as necessidades do mercado em desenvolvimento de software. Atualmente a .reply está no ramo de desenvolvimento de sofware educacionais e organizacionais, direcionando-se em e-learning e m-learning. Com um projeto inovador na medida em que oferecemos personalização, integração e mobilidade, a .reply vêm se destacando cada vez mais no mercado.

Notícias publicadas em relação ao .learn (Primeiro projeto da .reply)

Jornal do Comércio – TECNOLOGIA
Computador móvel x ensino a distância em prática
Publicado em 15.03.2006
Pouco menos de um mês depois de os estudantes do sexto período de Ciências da Computação do Centro de Informática (CIn) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) apresentarem soluções inovadoras desenvolvidas durante a disciplina Projeto de Desenvolvimento, a equipe Reply já colhe os frutos do projeto .learn. Para quem não lembra, trata-se de uma iniciativa que engloba educação a distância com ensino móvel a partir de PDAs e celulares.
A idéia foi tão bem recebida pelo primeiro cliente, o curso de inglês ABA, que a empresa vai apresentá-la na próxima semana na Conferência de Tecnologia Educacional da Flórida (FETC, em inglês), em Orlando. Tanto a ABA quanto a equipe de 11 alunos do CIn estão otimistas com relação às possibilidades de interatividade entre alunos e professores criadas pelos recursos tecnológicos oferecidos via web pelo projeto, especialmente com a integração entre computadores e PDAs.
O coordenador de Projeto de Tecnologia Educacional na ABA e gerente da Reply, Guilherme Carvalho, conta que o projeto está passando por uma fase de amadurecimento. “Vamos apresentar o software em Orlando e buscar novidades no ramo da tecnologia educacional”, diz.
Além disso, a equipe tem trabalhado pela integração do .learn com outro projeto desenvolvido por profissionais da UFPE, o Amadeus. Alguns ajustes devem ocorrer, por exemplo, na interface do programa. “Um designer do Amadeus ficou de melhorar a qualidade das telas”, confirma. Assim, a expectativa é de que em no máximo um ano obtenha-se um produto final, que deverá ser resultado da junção do Amadeus com o .learn. Tudo open source.
Enquanto isso não acontece, funcionários da ABA já testam a ferramenta tanto no login de aluno quanto no login de professor. Parte do código do programa também deverá ser modificada para se adequar à base de dados da ABA.

Jornal do Comércio – SOFTWARE
Estudantes do CIn criam soluções funcionais
Publicado em 08.02.2006
Alunos da UFPE propõem cinco aplicativos inovadores para áreas como educação e saúdeA apresentação pública dos trabalhos desenvolvidos pelos alunos do Centro de Informática (CIn) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) para a disciplina Projeto de Desenvolvimento realizada na última segunda-feira demonstra mais uma vez o nível de competência dos talentos pernambucanos. Com a desenvoltura de profissionais, os jovens apresentaram cinco projetos em diferentes áreas.


(…)

A solução .Learning, disponível tanto em PDA quanto desktop, se volta para a educação. Planejar aulas, fazer a chamada, reservar equipamentos, organizar a própria agenda com base no calendário do curso são apenas algumas das funcionalidades. Tudo para tornar o cotidiano do professor e do aluno mais prático e interativo.

(…)

Segundo o professor Alex Sandro Gomes, as equipes conseguiram apresentar resultados focados na usabilidade do produto. “Os alunos buscaram empresas parceiras ou departamentos da UFPE para acompanhar as necessidades dos usuários e gerar a tecnologia mais adequada.” Por exemplo, para que a solução MedicIt fosse bem-sucedida, os estudantes procuraram o grupo Nutes de Medicina da UFPE e também realizaram entrevistas nos postos de saúde de Camaragibe. Já a equipe criadora do .Learning fez contato com uma escola de idiomas.

Diário de Pernambuco – Informática
Muito além da boa e velha apresentação escolar
Publicado em 08.02.2006
A história todo mundo conhece: os professores do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco (CIn/UFPE) criaram o Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (Cesar) como uma forma de gerar oportunidades de negócios e manter os profissionais formados na UFPE no mercado local. Alguns anos depois, fomentou-se um ambiente favorável de idéias, expertise e mão-de-obra qualificada e veio o Porto Digital, que hoje é conhecido como um dos principais pólos de tecnologia do país. O que talvez poucos atentem é que o CIn continua sendo um dos principais fomentadores do nosso ambiente tecnológico, com a formação de um capital humano extremamente qualificado.
Basta dar uma volta nos corredores para perceber a atmosfera de inovação e dedicação dos que fazem parte do Centro. E os resultados aparecem. Na última segunda-feira, estudantes do 5º e 7º período dos cursos de ciência da computação e engenharia de software demonstraram os trabalhos que desenvolveram para a disciplina Projeto de Desenvolvimento. O que poderia ser mais uma apresentação escolar revela o grau de profissionalismo dos alunos e a capacidade de já desenvolver produtos para o mercado. “A disciplina encerra o ciclo básico do curso e os alunos são incentivados a realizar projetos voltados para clientes reais. Eles precisam atender a necessidade dos usuários e gerar tecnologia”, afirma o professor Alex Sandro Gomes.
(…)
O .Learn é um sistema web voltado para o ambiente escolar, tem como objetivo auxiliar o professor a interagir com os alunos e com a instituição de ensino. “É um sistema personalizado de acordo com a demanda do cliente e dividido em duas partes, uma que roda em PDAs e outra em desktops”, apresenta o gerente Guilherme Carvalho. Através de um portal, o professor pode gerenciar a chamada, os planos de aulas, a agenda. Além disso, o site, que foi desenvolvido em Ajax, conta com uma ferramenta de e-mail e um fórum. O projeto foi criado em parceria com a escola de idiomas ABA, que estuda a sua adoção ainda este ano.