Handheld Learning 2007

sexta-feira, 9/novembro/2007

Durante os dias 10 e 12 de outubro de 2007 foi realizada em Londres a terceira edição de uma das maiores conferências sobre m-learning do mundo: Handheld Learning 2007. A conferência vem aproximando a comunidade acadêmica especializada em m-learning de grandes empresas do ramo de telefonia móvel, telecomunicações e computação.

O tema da conferência deste ano foi “learning while mobile“, que mostra a preocupação das pesquisas atuais com a mobilidade do aprendiz e não apenas do dispositivo. Esse posicionamento contrasta um pouco com a pura visão tecnocêntrica que permeava alguns estudos no inicio da onda mobile no mundo da educação.

Mobile Learning em Prática
Fato interessante do evento, foi que durante a conferência foi incentivado o uso do Twitter.com. Essa ferramenta web trabalha com o conceito de micro-blogging, onde posts podem ser criados apartir de um dispositivo móvel com acesso a tecnologia SMS.

Dessa forma, a ferramenta colaborou como um espaço para registro do que foi aprendido entre os participantes. Além disso, o blog permitiu novas formas de interação entre os presentes, que também postaram dúvidas e tiveram uma nova oportunidade de acessar o capital social presente no evento.

O conteúdo da conferência está disponível em vários formatos:

Video
http://handheldlearning.blip.tv

Podcasts
http://tinyurl.com/39fzx4

Slides
http://www.slideshare.net/HandheldLearning/slideshows
 

Fontes:
Tony Vicent´s review
http://www.handheldlearning.co.uk/content/view/41/2/

Bob Harrison´s review
http://www.handheldlearning.co.uk/content/view/40/2/

Handheldlearning 2007
http://www.handheldlearning2007.com/

Anúncios

Aprendendo hábitos saudáveis…

terça-feira, 2/outubro/2007

Enquanto muitos advertem para os efeitos negativos que o uso excessivo do celular pode causar (http://www.mobile-weblog.com/50226711/health_risks_and_mobile_phones.php), as empresas envolvidas no ramo da tecnologia móvel estão cada vez mais criando dispositivos e ferramentas que nos tornam ainda mais dependentes destes aparelhos. Os celulares hoje em dia fazem muito mais que simples ligações telefônicas. Podemos, na verdade, enviar mensagens multimídia, acessar internet, registrar contatos, tirar fotos, ouvir músicas, etc.
Mas agora os celulares estão também sendo utilizados para o bem de nossa saúde. Empresas como a MyFoodPhone Nutrition Inc (http://www.myfoodphone.com/) estão criando aplicações que nos permitem aprender como cuidar melhor de nossa saúde, favorecendo hábitos saudáveis. Através desta é possível enviar fotos de seus alimentos para receber feedback de nutricionistas quanto a mesma. Com esta perspectiva podemos ter certeza que estes aparelhos contribuem também para vivermos melhor. As portas estão abertas e aplicações para ajudar pessoas com doenças que precisam de constante ajuda com certeza serão criadas e bem sucedidas. Sem dúvidas, o mobile learning nos permite aprender e entender cada vez mais nossa própria saúde.


Porque a educação a distância móvel não decola? Seria falta de padrões?

terça-feira, 25/setembro/2007

Por que ainda hoje é difícil encontrar empresas que comercializem serviços em educação móvel? Com certeza muitos de nós já sentimos a necessidade de termos a disposição algum dispositivo que nos desse a possibilidade de estudarmos naqueles momentos onde estamos sem nada para fazer.

Apesar de algumas tentativas, as propostas a educação mobile ainda estão esperando por uma padronização, dos meios de acesso a informação. Hoje isso tem se tornado mais fácil graças aos aparelhos que possibilitam para qualquer pessoa, navegação na Web, usando todos os recursos disponíveis em um website. Já pensou acessar um ambiente de EaD diretamente do seu celular?

Voltando ao assunto, a educação móvel agora pode encontrar nas novas interfaces móveis um novo mercado. Agora teremos que nos adaptar a essa realidade. Por quê? A diversidade de aparelhos móveis que acessam a web tem tornado o processo de construção desses conteúdos muitas vezes impraticável. A manutenção de múltiplos endereços tem causado redundancia de dados, inconsistencia e principalmente dificuldade de manutenção.

Os trabalhos para uma padronização tem caminhado para uma solução de desenvolvimento de portais capaz de adaptar conteúdos web à maior parte dos dispositivos – desktops, PDAs e telefones celulares – a partir de uma única URL.

Nesse sentido a própria W3C tem recomendado a criação da visão de uma única Web onde:

1. São definidos um conjunto de melhores práticas que quando seguidas por autores e desenvolvedores são capazes de tornar os conteúdos acessíveis para usuários de dispositivos fixos e móveis.
2. Fazer tudo o que for possível para que a mesma informação e serviço sejam disponibilizadas para os usuários independente do dispositivo que ele esteja utilizando.

As regras encontram-se organizadas dentro dos seguintes tópicos:

  • Regras para escolha de conteúdo;
  • Regras para aproveitamento de espaço;
  • Regras para codificação;
  • Regras para o design de leiautes;
  • Regras para o uso de textos, fontes e cores;
  • Regras para o uso de tabelas; e
  • Regras para o uso de imagens.

Então mesmo que hoje ainda não seja uma realidade, com a convergência dos aparelhos de comunicação, talvez em pouco tempo, quem trabalhe com educação a distância precise adotar padrões ou se adaptar as novas tecnologias e ambientes.

Fontes: http://www.colaborativo.org/blog/2007/08/15/porque-a-educacao-a-distancia-movel-nao-decolou/

Regras práticas para apresentação de páginas web em dispositivos fixos e móveis. Maria Luisa Lopes de Faria


M-Learning: um novo paradigma na educação!

segunda-feira, 16/julho/2007

A cada dia o conceito de mobilidade vem ganhando espaço no cotidiano das pessoas, principalmente no tocante aos processos de comunicação, haja vista o expressivo valor agregado que os celulares e os dispositivos móveis em geral estão proporcionando.

O surgimento e aperfeiçoamento de novas tecnologias com expressiva capacidade de transmissão de dados multimídia vêm impulsionando cada vez mais o desenvolvimento de aplicações e serviços em dispositivos móveis que estão se tornando – cada vez mais – comuns à sociedade em vários estratos. Os exemplos variam de simples envios de torpedos, produção e envio de fotos, até consultas a saldos da conta corrente.

Nesse contexto tão dinâmico e repleto de oportunidades surge o conceito ainda incipiente e controvérsio de m-learning. Basicamente existem duas correntes para a definição do m-learning: as mais específicas, que levam em consideração os equipamentos, e outras mais genéricas, que levam em consideração o contexto e as aplicações em si.

Algumas definições genéricas: Quinn [Quinn 2000] considera que m-learning é o “e-learning por meio de equipamentos computacionais móveis: palms, dispositivos com Windows CE e até mesmo telefone celular”. Chabra [Chabra 2002] define como m-learning “a habilidade de receber educação a qualquer tempo, em qualquer lugar e por meio de qualquer dispositivo”. Harris [Harris 2001] acredita que m-learning é o “o ponto no qual a computação móvel e o e-learning se interceptam para produzir uma experiência de aprendizado a qualquer tempo e em qualquer lugar”.

Pode-se perceber então que, independente da corrente tecno-educacional, o m-learning oferece aos estudantes uma extensão do ensino convencional, através de experiências de aprendizado em lugares e momentos não-convencionais.


Fazemos softwares que você precisa!

quinta-feira, 27/julho/2006

A .reply surgiu para suprir as necessidades do mercado em desenvolvimento de software. Atualmente a .reply está no ramo de desenvolvimento de sofware educacionais e organizacionais, direcionando-se em e-learning e m-learning. Com um projeto inovador na medida em que oferecemos personalização, integração e mobilidade, a .reply vêm se destacando cada vez mais no mercado.

Notícias publicadas em relação ao .learn (Primeiro projeto da .reply)

Jornal do Comércio – TECNOLOGIA
Computador móvel x ensino a distância em prática
Publicado em 15.03.2006
Pouco menos de um mês depois de os estudantes do sexto período de Ciências da Computação do Centro de Informática (CIn) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) apresentarem soluções inovadoras desenvolvidas durante a disciplina Projeto de Desenvolvimento, a equipe Reply já colhe os frutos do projeto .learn. Para quem não lembra, trata-se de uma iniciativa que engloba educação a distância com ensino móvel a partir de PDAs e celulares.
A idéia foi tão bem recebida pelo primeiro cliente, o curso de inglês ABA, que a empresa vai apresentá-la na próxima semana na Conferência de Tecnologia Educacional da Flórida (FETC, em inglês), em Orlando. Tanto a ABA quanto a equipe de 11 alunos do CIn estão otimistas com relação às possibilidades de interatividade entre alunos e professores criadas pelos recursos tecnológicos oferecidos via web pelo projeto, especialmente com a integração entre computadores e PDAs.
O coordenador de Projeto de Tecnologia Educacional na ABA e gerente da Reply, Guilherme Carvalho, conta que o projeto está passando por uma fase de amadurecimento. “Vamos apresentar o software em Orlando e buscar novidades no ramo da tecnologia educacional”, diz.
Além disso, a equipe tem trabalhado pela integração do .learn com outro projeto desenvolvido por profissionais da UFPE, o Amadeus. Alguns ajustes devem ocorrer, por exemplo, na interface do programa. “Um designer do Amadeus ficou de melhorar a qualidade das telas”, confirma. Assim, a expectativa é de que em no máximo um ano obtenha-se um produto final, que deverá ser resultado da junção do Amadeus com o .learn. Tudo open source.
Enquanto isso não acontece, funcionários da ABA já testam a ferramenta tanto no login de aluno quanto no login de professor. Parte do código do programa também deverá ser modificada para se adequar à base de dados da ABA.

Jornal do Comércio – SOFTWARE
Estudantes do CIn criam soluções funcionais
Publicado em 08.02.2006
Alunos da UFPE propõem cinco aplicativos inovadores para áreas como educação e saúdeA apresentação pública dos trabalhos desenvolvidos pelos alunos do Centro de Informática (CIn) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) para a disciplina Projeto de Desenvolvimento realizada na última segunda-feira demonstra mais uma vez o nível de competência dos talentos pernambucanos. Com a desenvoltura de profissionais, os jovens apresentaram cinco projetos em diferentes áreas.


(…)

A solução .Learning, disponível tanto em PDA quanto desktop, se volta para a educação. Planejar aulas, fazer a chamada, reservar equipamentos, organizar a própria agenda com base no calendário do curso são apenas algumas das funcionalidades. Tudo para tornar o cotidiano do professor e do aluno mais prático e interativo.

(…)

Segundo o professor Alex Sandro Gomes, as equipes conseguiram apresentar resultados focados na usabilidade do produto. “Os alunos buscaram empresas parceiras ou departamentos da UFPE para acompanhar as necessidades dos usuários e gerar a tecnologia mais adequada.” Por exemplo, para que a solução MedicIt fosse bem-sucedida, os estudantes procuraram o grupo Nutes de Medicina da UFPE e também realizaram entrevistas nos postos de saúde de Camaragibe. Já a equipe criadora do .Learning fez contato com uma escola de idiomas.

Diário de Pernambuco – Informática
Muito além da boa e velha apresentação escolar
Publicado em 08.02.2006
A história todo mundo conhece: os professores do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco (CIn/UFPE) criaram o Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (Cesar) como uma forma de gerar oportunidades de negócios e manter os profissionais formados na UFPE no mercado local. Alguns anos depois, fomentou-se um ambiente favorável de idéias, expertise e mão-de-obra qualificada e veio o Porto Digital, que hoje é conhecido como um dos principais pólos de tecnologia do país. O que talvez poucos atentem é que o CIn continua sendo um dos principais fomentadores do nosso ambiente tecnológico, com a formação de um capital humano extremamente qualificado.
Basta dar uma volta nos corredores para perceber a atmosfera de inovação e dedicação dos que fazem parte do Centro. E os resultados aparecem. Na última segunda-feira, estudantes do 5º e 7º período dos cursos de ciência da computação e engenharia de software demonstraram os trabalhos que desenvolveram para a disciplina Projeto de Desenvolvimento. O que poderia ser mais uma apresentação escolar revela o grau de profissionalismo dos alunos e a capacidade de já desenvolver produtos para o mercado. “A disciplina encerra o ciclo básico do curso e os alunos são incentivados a realizar projetos voltados para clientes reais. Eles precisam atender a necessidade dos usuários e gerar tecnologia”, afirma o professor Alex Sandro Gomes.
(…)
O .Learn é um sistema web voltado para o ambiente escolar, tem como objetivo auxiliar o professor a interagir com os alunos e com a instituição de ensino. “É um sistema personalizado de acordo com a demanda do cliente e dividido em duas partes, uma que roda em PDAs e outra em desktops”, apresenta o gerente Guilherme Carvalho. Através de um portal, o professor pode gerenciar a chamada, os planos de aulas, a agenda. Além disso, o site, que foi desenvolvido em Ajax, conta com uma ferramenta de e-mail e um fórum. O projeto foi criado em parceria com a escola de idiomas ABA, que estuda a sua adoção ainda este ano.